sexta-feira, 31 de maio de 2013

Jardins que choram

Large

Eram tantas flores que me perdi, vi-me sem rumo nas mil e uma pétalas dançadas em manhãs de primavera. Ainda era cedo, oito da manhã quase, nem tanto, já eu beijava ramos e troncos de carvalhos que se pareciam esconder à medida que os meus olhos os alcançavam. Trazia geada no olhar, ventos carregados por pássaros que levam o teu nome escrito nas asas já quase desfalecidas. E não era mais que uma primavera vivida por entre beijos e sussurros de amor à Lua e cigarros fumados a medo.
Anoiteceu. As magnólias esconderam-se e os melros refugiaram-se em ramos que lhes contavam histórias de amor ainda antes de amanhecer. E estava quase vestida de preto, eu que nunca me vestia de tons escuros. Ainda pensei que te viesses sentar a meu lado e me beijasses os lábios cansados de te cantar poesia mesmo antes dos melros se soltarem dos ramos e do Sol nascer. Em vão. Acho que chorei com uma rosa, não me lembro, mas, para a próxima, prometo dançar ao som da melodia que já não me cantas.

9 comentários:

  1. "Acho que chorei com uma rosa, não me lembro, mas, para a próxima, prometo dançar ao som da melodia que já não me cantas." bravo!

    ResponderEliminar
  2. Tu usas cada metáfora, meu deus fico espantada.

    ResponderEliminar
  3. Tu escreves lindamente, mesmo.
    Muito obrigada, sigo-te também*

    ResponderEliminar
  4. Ora essa, é a minha opinião. Tens textos maravilhosos aqui!

    ResponderEliminar
  5. É talvez dos textos mais bonitos que li ultimamente! Escreves maravilhosamente bem, parabéns!

    ResponderEliminar
  6. Não agradeças! O mérito é todo teu :)

    ResponderEliminar

Escreve aquilo que estiveres a sentir neste momento.