segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Sem estrelas


Não escrevia há já muito tempo, talvez porque deixara de sentir algo - borboletas. Afinal, o que é um escritor sem as borboletas que se lhe consomem a alma? E o que é o verão sem um amor tão apaixonado que nos faz sorrir a cada pássaro que nos sobrevoa as cabeças? Ela quebrava-se todas as noites, num choro escondido de quem sente o Inferno tão perto, que o consegue quase pisar. Vai deixar de doer, um dia - diziam-lhe em segredo. Ela fumava e chorava rosas de cada vez que pensava que ele se fora embora e no amor efémero que viveram (ou quase chegaram a viver). Ainda sonhava com os seus olhos - os mais belos que alguma vez vira, e com os seus lábios que a arrepiavam só de imaginar o prazer que lhe poderiam dar um dia. Era ele quem mais queria ver quando acordasse e queria beijar pouco antes de adormecer nos seus braços. Mas, certo dia, ela deixou-se inundar por uma paixão tão forte, que acabara por cair na ideia de um homem que nunca existira. Porque ele não era esse homem com quem tanto sonhava, nem tão-pouco quem lhe beijara tantas e tantas vezes o peito e lhe abraçara a alma. Ele magoara-a tanto que ela quis odiá-lo mais do que se odiava a si mesma. Mas ela ainda não se sentia em casa... Ele era o seu lar, o seu jardim, o seu maior desejo. E o que se faz com uma alma que perde a sua casa? Ainda chorava sempre que tocava tão suavemente as suas melodias de inverno no piano e diz-se que um coração que chora, é um coração ainda magoado. Ela era-lhe o céu e ele as suas estrelas. E quem ama sabe o quanto dói olhar para o céu e não o ver estrelado.

10 comentários:

  1. eu adorei o texto.
    identifico-me bastante.

    ResponderEliminar
  2. "Ela era-lhe o céu e eles as suas estrelas. E quem ama sabe o quanto dói olhar para o céu e não o ver estrelado." tão mas tão bonito!
    adorei, está lindo Inês :))
    *beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Escreves tão bem, ai vida. Orgulhosa!

    ResponderEliminar
  4. Ficas-te recolhida por um período tão longo ... A essência efémera do amor quebra-nos . mas tinha saudades de te ler e de me rever nos lábios , olhos e nas melodias de inverno no piano .

    ResponderEliminar
  5. Às vezes também acho que não estou bem.

    ResponderEliminar
  6. muito obrigada, princesa, a sério! <3

    ResponderEliminar
  7. "E quem ama sabe o quanto dói olhar para o céu e não o ver estrelado.", sabe mesmo, querida!

    ResponderEliminar

Escreve aquilo que estiveres a sentir neste momento.