quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Estrelas de amor


Ele desenhava-lhe amor nos cabelos e beijava-lhe rosas no peito de cada vez que se deixavam mergulhar numa paixão quase maior que os seus dois corpos abraçados. Tinha-lhe mais carinho do que à própria vida e, oh, adorava escrever-lhe poemas pelo corpo. Percorriam-se um ao outro num movimento tão subtil e único que até o céu parecia fotografá-los para, um dia, poder contar ao mar o que realmente era amar. Porque, na verdade, o que importa mais senão os céus  nas vidas de quem se ama? E é tão bonito contar as estrelas ao colo de quem nos tem a alma. E que não se faça mais dia, e que as estrelas iluminem os corações de quem mais chora, e que o mundo se apaixone e viva cada momento de olhos postos na Lua. Eles queriam fazer com que cada beijo durasse para sempre e com que cada estrela lhes preenchesse a alma até adormecerem. Porque não há nada mais belo que uma noite de amor, a não ser a Lua... E só ela os amava tanto quanto eles a si próprios.

10 comentários:

  1. Absolutamente lindo :)
    Falas de amor de uma maneira magnífica.
    Eu tenho sempre dificuldade em encontrar as palavras...
    Parabéns :)

    ResponderEliminar
  2. Wow gostei tanto! Tão mas tão bonito que não respirei enquanto te li como medo de que algo estragasse...

    ResponderEliminar
  3. tu escreves lindamente, tão bonito*
    r: eu sei.

    ResponderEliminar
  4. Está apaixonante, os próprios dedos tocando o amor que floresce na pele, alimentando-se do brilho da lua.

    ResponderEliminar
  5. Li e quando acabei olhei para as minhas palmas e encontrei estrelas de amor sobre elas . bela que és .

    ResponderEliminar

Escreve aquilo que estiveres a sentir neste momento.