segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Curtas palavras de força

Hoje pensei muito nas pessoas que se denominam como inválidas que, pelos motivos  mais variados, se encontram numa cadeira de rodas até ao fim das suas vidas. A verdade é que a vida tem coisas muito boas que nos deliciam e nos fazem sentir orgulhosos de existirmos neste mundo, mas tem também outras muito más, capazes de destruir qualquer um de nós. Estar numa cadeira de rodas é o equivalente a passar uma vida inteira paralisado, como que hipnotizado, sem mexer um único músculo que seja. Um simples pestanejar torna-se tanto e uma breve respiração é como uma bênção de Deus. O sofrimento que estas pessoas sentem alcança a escala do inimaginável e a angústia com que vivem e têm de lidar diariamente é dura e cruel. Dou muito valor às pessoas que têm a coragem de lutar, todos os dias, contra esta terrível tragédia e de sonhar. Dou valor a todos os dias que passam, a todas as pessoas que me adoram e a todos os sentimentos que se encontram adormecidos em mim. Dou valor, sim, e muito. Agora já é percetível o porquê de eu estar sempre a sorrir? Temos de levar a vida assim, felizes, se não ninguém a levará por nós e há-que aproveitá-la da melhor forma possível. Para todos aqueles que se encontram sentados numa cadeira de rodas neste momento, desejo-vos as minhas mais sinceras palavras de força e que nunca percam a vontade de continuar!

25 comentários:

  1. Quem tem uma deficiência seja ela motora ou mental acaba por se habituar e fazer a sua vida naquela rotina que para ele é normal. A vida não é cruel, cruéis são as pessoas que os excluem por tudo isso.

    ResponderEliminar
  2. Gostei muito, também sigo.
    As pessoas que tem alguma deficiência dão mais valores a coisas que nós não damos, pra mim elas não sao grandes, elas são enormes (:

    ResponderEliminar
  3. Essas pessoas dão valor às coisas realmente importantes da vida =) Adorei o texto! Bjinhos***

    ResponderEliminar
  4. Eu acho que não me dei a entender. Eu sei que o destino é cruel mas temos de aproveitar tudo de bom. É pena é por vezes as pessoas julgarem-nos os excluírem-nos.

    ResponderEliminar
  5. É verdade há pessoas fantásticas que mesmo nestas condições não baixam os braços :)

    Eu também adoro tudo o que é rosa :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Essas pessoas que não desistem e não baixam os braços merecem aplausos, seja em que situação estiverem. São incríveis :)

    ResponderEliminar
  7. Gostei :)

    participa no sorteio internacional do blog :
    http://eraumavezumagata.blogspot.pt/2012/10/giveaway-internacional-pretty-woman.html

    ResponderEliminar
  8. já tive dias melhores e dias piores. por vezes, há desilusões ou notícias mais desagradáveis das pessoas que mais gostamos e isso acaba por marcar. mas agora, é recuperar a confiança que se foi perdendo aos poucos, pelo andar do tempo. e tu, estás bem?

    ResponderEliminar
  9. Se o mar adormecer em desvario
    As ondas não mais se formarem
    Se as gaivotas se perderem do ninho
    As árvores mais altas tombarem

    Se o dia não encontrar a manhã
    As nuvens deixarem de chorar água pura
    Se as pedras da ilha roubarem a cor ao verde
    As tuas palavras deixarem de ser raiva dura

    Boa semana


    Doce beijo

    ResponderEliminar
  10. Gostei.
    olha princesa, não sei se te avisei mas mudei o url do meu blog e para me continuares a seguir tens de adicionar o novo :)

    ResponderEliminar
  11. temos muito que aprender com essas pessoas! :)

    ResponderEliminar
  12. Eu sou forte princesa, acredito que sou, mas tenho momentos em que fragilizo e pronto, mas eu estou bem :)
    Obrigada pelas palavras.

    ResponderEliminar
  13. Eu não tenho nenhuma deficiência que me obrigue a andar de cadeira de rodas, mas tenho um problema de saúde que me incapacita de correr ou fazer qualquer tipo de desporto. Para além dessa frustração, as dores físicas abalam por completo. E é uma dor enorme não conseguir fazer coisas básicas: correr para apanhar o autocarro, conduzir, cruzar as pernas ou ajoelhar. Se custa? Custa. Se sofri de bullying? Sofri. Mas agora tenho de me levantar. Disseram-me que talvez haja alternativa à cirurgia e vou tentar evitar ao máximo.

    ResponderEliminar
  14. conseguiste tocar-me e dar-me força :)
    acredita, hoje consigo escrever e falar com calma sobre o assunto. não digo que quando recordo tudo aquilo pelo que passei não cai uma lágrima. mas é normal, foi numa fase muito complicada, a adolescência, mas é sempre possível vencer. o que eu te queria fazer passar é que não são só as cadeiras de rodas ou canadianas permanentes que devem ser alvos de atenção, há muitas pessoas com limitações e nós nem me apercebemos.
    e eu tive muita sorte nas pessoas que me ajudaram: em todos os médicos, nos muitos fisioterapeutas que me acarinharam e trataram durante dois anos e nos meus pais, família e amigos que sempre me deram força, mimaram e protegeram. não costumo falar disso no blog porque agora já me sinto melhor, mas obrigada pelas palavras :)

    ResponderEliminar
  15. Pelo contrário, estamos as duas de acordo, mas as minhas respostas pareciam dar a entender outra coisa por isso fiz aquele post para ti, para entenderes que eu sei que essas pessoas lutam todos os dias, apesar de encontrarem tantas dificuldades.

    ResponderEliminar
  16. Oh, muito obrigada Inês, também podes contar comigo para tudo :)

    ResponderEliminar
  17. Gostei imenso de ler o que escreveste. Não podemos desistir de lutar e ser felizes.

    ResponderEliminar
  18. Não tens de agradecer querida. Merecem mesmo!

    ResponderEliminar
  19. Acima de tudo há que tentar ser feliz :)*

    ResponderEliminar

Escreve aquilo que estiveres a sentir neste momento.