quinta-feira, 3 de maio de 2012

Hoje senti uma alegria enorme, uma felicidade sem fim. Fiquei completamente babada ao ver as pessoas que adoro a fazerem algo que lhes ensinei. 

Senti aquele arrepio que se sente quando algo é bom demais, quando algo excede as nossas expectativas e, depois do arrepio, vêm as lágrimas: lágrimas de alegria. Sim, senti uma lágrima quase a cair, quase a desequilibrar-se, quase a molhar-me ou, até mesmo, encharcar-me o rosto... Mas nada disso aconteceu, apenas me mantive ali, sentada, a contemplar o momento e o espetáculo que tinha à frente dos meus olhos. 

Foi uma sensação única, porque tenho uma enorme paixão pela dança. Assim que começo a dançar, esqueço o mundo, esqueço tudo. Vou para outro lugar, onde tudo é alegre e animado, tal e qual como eu gosto.

Liberto-me, solto-me. Ponho as asas e voo. Voou até onde a música me quiser levar. E eu sigo, acompanho a melodia e encaixo-me num círculo perfeito, onde tudo é cor-de-rosa como nos sonhos. Não existe preto. Não existe escuro. Não existe medo.

Não preciso de parar para pensar, a dança faz isso por mim. Por isso é que lhe chamo paixão, porque é uma coisa que me faz feliz. Ou melhor, é a coisa que me faz feliz.

Dancem e sejam felizes!

3 comentários:

  1. Percebo tão bem as tuas palavras!

    ResponderEliminar
  2. Dançar é a melhor coisa deste mundo, liberta-nos. Eu faço ballet, e tal como tu para mim é uma paixão!

    ResponderEliminar

Escreve aquilo que estiveres a sentir neste momento.